terça-feira, 1 de novembro de 2016

Pastor, e as "correntes abençoadoras?"

Sabe, pode até parecer um assunto ingênuo e que todos cristãos já estão cansado de saber. Porém, não consigo deixar de olhar  nenhuma questão "pastoralmente", e tenho percebido ultimamente que nem todos entendem sobre o assunto, e não sabem se é certo ou não a luz da revelação da bíblia. Certo, certo, vamos ao que interessa! O assunto de hoje são "correntes abençoadoras", já ouviu falar?

Breve definição primeiramente

As "correntes abençoadoras" são aquelas mensagens prometendo algum tipo de
benção da parte de Deus (outras "divindades" também) se tal pessoa que acabou de ler o texto, compartilhar tal prosa com, exemplo, 15 pessoas de sua lista de contato, seja nos sms dos celulares, nos contatos de redes sociais como o facebook e o whatsapp.Tais mensagens se tornaram rotineiras , e com certeza você deve receber com uma certa regularidade tal malfadada empresa. Nunca recebeu? Creia, você vai receber um dia!


As origens

Com certeza foram das "simpatias" presentes demais na cultura popular brasileira (aqui em Minas teve uma época que era uma febre, praticamente uma experiência religiosa necessária).
Pra quem não conhece "simpatias" ou "sampatias", dependendo do cidade, ou região que você mora, são "coisas" estranhas que você tem que fazer para alcançar algum tipo de benesse da parte de Deus em sua vida, ou em prol da vida de um familiar. Alguém já ouviu falar da famosa "benzição" contra a "espinhela caída"? (Não me perguntem o que é isso, até hoje me pego viajando em busca da resposta!), e da "benzição" contra o "vento virado"? Tais "benzições eram feitas por um "benzedor", uma espécie de guru, ou um pajé de aspecto regional, que criava várias situações para desfazer o "malóiado" sobre a criança ou a pessoa! Expedientes como um galho de arruda atrás da orelha podiam ser usados para desfazer os "vodús", ou um galho de alguma coisa era "batido" sobre os ombros do que está sendo benzido, as vezes colocavam crianças de ponta à cabeça e colocavam seus pés nos portais de alguma porta por três vezes...e a criatividade é bem, mas bem longa!

Alguém já tomou alguma "garrafada"? (risos), Não, não golpes de garrafa, mas um líquido na maioria das vezes da coloração marrom tamarindo, (risos), que estava em uma garrafa, confeccionada por um "benzedor", contendo uma mistura de sei lá o que, com sei lá de onde, (sempre mistério)? Sempre havia uma que resolvia vários tipos de coisa desde a "trindade das zicas": espinhela caída, vento virado e maloiádo, até coisas como: abrir porta de emprego, fazer marido/esposa voltar, ficar bonito/bonita....

Antigamente tais mensagens aconteciam na forma de bilhetes também. Isso mesmo! Uma carta era feita em nome de Deus ou alguma entidade, era colocada em baixo das portas ou lançada nas ruas para algum transeute desavisado pegar. No texto das mesmas eram colocadas promessas ou ameaças, ou um misto de promessa e ameaça, para que o destinatário "sortudo" disseminasse a mensagem para outro tanto de pessoas, correndo o risco de ser abençoado ou amaldiçoado.

Importantíssimo frisar: para um praticante de simpatia, tais expedientes jamais podem ser confundidos com macumba ou magia negra de forma alguma, é muito diferente.

"Simpatia" da era digital

Pois é! Com a evolução de tudo, pergunto a você: Porque não a simpatia evoluir para a "era digital"! Tá aí, não é que o negócio deu uma atualizada geral no sistema?
Tem havido uma profusão de mensagens com textos bem melosos falando sobre Jesus,
Bobagens, existem outras maneiras
legitmas de demonstrar seu amor
Por Jesus. Por exemplo, obedecendo
a palavra, amando ao próximo...
citando versículos da bíblia, e uns com umas histórias até interessantes, mas que no final se encerra com um dizer: "Se você não tem vergonha de Deus, prove enviando para tantas pessoas", ou "se fosse baixaria você compartilhava né, agora de Deus você não compartilha", ou até ameaças, "Olivia Newton John da Silva recebeu essa mesma mensagem e a ignorou, poucos dias depois ela sofreu um acidente de carro, agora na rua dela sempre se escuta uma voz de jovem gritando a meia noite 'quero outra chance para enviar as mensagens, quero outra chance...' ". E por aí continua.



O Maniqueismo tinha o falacioso argumento que:
"O universo compôe-se do reino das trevas e do reino da luz, e
ambos lutam pelo domínio da natureza e do próprio homem"
Existe um emaranhado de outras situações proporcionadas por essas "correntes abençoadoras", (ou "amaldiçoadoras" dependendo do caso). Aquelas famosas imagens com um "jesus" e o "diabo"com os dizeres abaixo: "Se ama o diabo olhe, se ama Jesus curta e compartilhe", que acaba se tornando uma forçosa simpatia. Tem também aquela clássica imagem de "Jesus" em uma queda de braço com o "diabo", também com ameaças abençoadoras/amaldiçoadoras se não compartilhar, que na verdade é uma ressurreição das doutrinas dos maniqueus (veremos isso em outro momento).

Ingenuidade?

Bem eu torço para ser ingenuidade mesmo! Mas é incrível quantas pessoas que afirmam ter uma fé cristã evangélica que são grandes instrumentos difundidores dessas pataquadas virtuais. Incrível, mas vira e mexe recebo tais. Um desses jovens que me mandou uma mensagem, me perguntou se eu cria nisso...bem, eu respondi a ele. 

Só que a constatação que tive é que há muitíssimo trabalho a ser feito, pois, tem muita gente com uma fé semelhante aos crentes de Hebreus 5.12,13: "De fato, embora a esta altura já devessem ser mestres, vocês precisam de alguém que lhes ensine novamente os princípios elementares da palavra de Deus. Estão precisando de leite, e não de alimento sólido!
Quem se alimenta de leite ainda é criança, e não tem experiência no ensino da justiça." e a conclusão que chego é que temos vivido uma geração de "cristãos" infantilizados. Não aquela "criança" que Jesus sugeriu como paradigma para nos sermos, mas crianças no neurônios mesmo.

Bases Bíblicas

Bases bíblicas? Tá, "ok, você venceu"! É, na verdade essa era a proposta a priori "saber se é certo ou não a luz da bíblia então vamos lá":

* O sangue de Jesus purifica pecado, não preciso de mais nada: "Mas, se andarmos na luz, como ele na luz está, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus Cristo, seu Filho, nos purifica de todo o pecado." I João 17
* Não há mais condenação para os que estão em Cristo Jesus. Romanos 8.1
* Galatas 3.11 E é evidente que pela lei ninguém será justificado diante de Deus, porque o justo viverá pela fé. Só a fé em Jesus é suficiente e prerrogativa firme para quem deseja agradar a Deus.

Diante do exposto...

A melhor maneira de mostrar nosso amor por Jesus, é procurando andar como Ele andou, ou seja procurando conduzir nossa vida, como Jesus conduziu a Dele aqui na Terra. (I Jo 2.6) 
É impossível? Pra nos sozinhos é! Conte com o poder do Espírito Santo para capacitá-lo. Pense: Se Jesus vivesse nessa "era digital", Ele perderia seu santo tempo compartilhando essas correntes? Fala sério! O cristão verdadeiro não precisa compartilhar nada forçado, e muito menos expressar seu "amor" de maneiras que a palavra de Deus, a bíblia sagrada, não diz para expressar! Jesus deixou tudo escrito pra gente, e é suficiente!

Compartilhe esse texto com o amiguinho cristão que te enviar uma corrente. Mas em amor ok? Muitas coisas absurdas você pode ter feito no "tempo da ignorância", que deixaria essa reles "correntes abençoadoras" que te mandaram no chinelo.
O maior mandamento continua sendo o amor.
Se você não ama seu irmão, não ama a Deus.

Agora se você quer salvar sua mães, desvire já essa havaiana e compartilhe esse post com os 100 primeiros da sua lista de contatos...Brincadeira (risos), (Ps.: brincadeira até a parte da havaiana, pode compartilhar o post a vontade!)

Microscopicamente falando (João 3.30),

pr. Walter Filho

sábado, 10 de setembro de 2016

"Pastor, e o sincretismo?"


1-)O que é o sincretismo?

 Primeira coisa, o sincretismo não é o contrário de “não-cretismo”. (infame essa né? Risos!)

O sincretismo é o irmão mais novo do pragmatismo. (Pragmatismo? )

Sincretismo é a fusão de várias doutrinas exteriores a um tipo de pensamento filosófico ou ideia. No contexto da fé cristã, é quando é adicionado elementos de outras religiões ao culto cristão bíblico.
Exemplo, algumas igrejas adicionam ao seu bojo doutrinário e à sua práxis a famigerada “sessão do descarrego”, prática essa presente em religiões africanas.

Algumas igrejas auto-denominadas "evangélicas", também fazem uso de objetos como a vela, presente por exemplo, na missa católica romana. Pasmem, mas algumas chegam a crer na existência do purgatório.

A campeã em elementos sincréticos são aquelas igrejas que aderem ao seu bojo de crenças, práticas judaicas: objetos do judaísmo, coisas de culto vetero-testamentário. Igrejas carregam a arca da aliança, líderes religiosos usam o quipá, o talit, tocam o shofar, até a obrigatoriedade de se referir a personagens bíblicos na língua hebraica é uma regra (na verdade tais seitas, sim, são seitas, tem um “hebraico próprio”, cada uma viu!)

Existem igrejas “evangélicas” tão sincréticas, que em alguns casos é impossível discernir se tal de fato é uma igreja cristã. E cada dia isso se torna ainda mais normal.

No afã de dar uma ajuda no tocante ao aumento da quantidade de conversões, são usadas vários tipos de elementos sincréticos de outras religiões. Acabando por poluir as nascentes límpidas da sã doutrina.

2-) Sincretismo é bom ou ruim?

É péssimo! Se o ajuntamento dito cristão tem como prerrogativa amar a Deus e seguir os princípios esposados na bíblia, a palavra de Deus, o sincretismo é inconcebível! Culto cristão não é massa de bolo!

Muitos pensam que pode ser inserido na liturgia do culto de “tudo quanto há”, desde técnicas de regressão, sessões espíritas, técnicas psicológicas de auto-ajuda, estratégia de marketing, pirotecnias, até hipnose, que acaba fazendo os “cultos” serem uma verdadeira caixinha de surpresas, onde os participantes jamais poderão saber qual vai ser a próxima patacoada praticada. A verdade é que o resultado é o surgimento de uma criatura híbrida, um culto transgênico, uma verdadeira criatura de Frankstein travestido de piedade litúrgica!

Nesse Purê massudo e indistinguível e praticamente impossível encontrar Jesus por lá.

Um Amálgama! Amalgamando elementos até do vodu.
O sincretismo é uma sinfonia com motosserras e furadeiras Bosch;
É o quadro da Monalisa pintado com uma britadeira;
É um carro de formula um com pneu de rolimã;
É um vampiro tomando um Sunday de água benta;

Em suma, o sincretismo é inadmissível ao culto genuinamente cristão. Não combina.
Fruto dos Modismos. É o evangelho segundo Nicolau Maquiavel, “os fins justificam os meios”.

 Não se espantem de ouvir um dia: “Fiquei sabendo que tem uma igreja que está fazendo unção com óleo de rícino e está sendo tremendo.” Pessoalmente, não estou mais me assustando com nada, é por mais paradoxal que isso seja, fico muito assustado com isso!

Conclusão

Em vista do exposto, existe algumas perguntas a serem feitas:
  • Quero oferecer ao Senhor um culto que o agrada, ou meu propósito é apenas reunir volume demográfico no templo?
  • Tenho noção que a exposição e vivência do evangelho na prática é a tarefa de todo cristão e é suficiente para fazer a “obra de Deus” aqui na terra? Ou tenho que criar condições criativas, independente se sejam bíblicas ou não, ou que entrem em conflito com as doutrinas claras da bíblia?
  • Uso o versículo “fará obras maiores que eu faço” fora do contexto, só para abalizar meu culto sincrético?

Rapaz, se suas respostas foram afirmativas  você não vive uma “sã doutrina” (I Pe 2.2), mas sim uma doutrina moribunda (I Tm 4.1), ineficaz e que já está na UTI passando por um coma induzido.
Contudo há uma boa notícia, há tempo de mudar a direção.
Retorne às escrituras, creia no evangelho, obedeça as palavras do verbo vivo (Jo 1.1, Jo 1.14), que se um dia os céus deixarem de existir, e a terra esgote seu prazo de validade permanecerão para sempre (Mt 24.35).

Correndo o risco de ser odiado por alguém, reitero: Mude de vida! Pare de brincar com a palavra de Deus e com as ovelhas do Senhor!

É tempo de limpeza (Ap 22.11)! E vai começar pela “casa de Deus” (I Pe 4.17)

"Vê se te orienta Al Capone"!

Microscopicamente falando (João 3.30),

Pr. Walter Filho



quarta-feira, 27 de julho de 2016

"Pastor, e orar no monte?"


O que é a "Oração no monte"?

1-) CARACTERÍSTICAS GERAIS

Vamos conhecê-la:

A oração do monte é um momento de oração coletiva do pastor com alguns ou todos membros da congregação
de uma igreja local, feita em um lugar afastado da parte urbana da cidade. Um cantinho de alguma fazenda, em meio a uma vegetação. As vezes pode ser feita em um lugar mais elevado em altura ou não, não precisa ser necessariamente em "um monte" pode ser em algum lugar plano mesmo.

A oração no monte pode ser por um propósito específico, como uma espécie de sacrifício onde o pastor e os membros (geralmente os chamados "líderes"), ou apenas alguns membros por deliberação pessoal vão por um determinado período de tempo (em determinados momentos as "7" vezes simbolizando uma corrente que não pode ser quebrada prevalecem), para alcançarem algum tipo de objetivo pessoal ou para a coletividade da igreja.

A oração no monte pode ser usada, e é amplamente usada para a "busca de poder" (jornada para obter mais êxito e aprofundamento em relacionamento com Deus, muitas das vezes pessoas esperam algo sobrenatural muito profundo em tais ambientes).

As narrativas de eventos sobrenaturais são das mais variadas possíveis, desde aparição de anjos, até de gravetos "pegando fogo" (que é algo bem famigerado entre alguns frequentadores, quase uma necessidade básica para que isso aconteça, perceba, eu disse "alguns").

Geralmente é atribuída à oração no monte, um "poder" especial que não se poderia obter em outro lugar.

São geralmente feitas à noite. Porém, em menor número, mas podem acontecer durante o dia também.

Algumas pessoas frequentadoras de monte, dizem ser necessário um "preparo especial" para frequentar tal empresa, aos neófitos não é recomendado nem para crentes que porventura estão em um relacionamento capenga com Deus. Manifestações demoníacas podem acontecer em ocasião do despreparo de alguém que estiver no monte sem o tal.

Em alguns círculos, pessoas que não vão nos "montes" são considerados crentes desleixados, e sem "poder de Deus em suas vidas.

Em alguns arraiais evangélicos a oração do monte é algo muitíssimo importante tratado como um dogma, ou um sacramento até, ficando em pé de igualdade com o  batismo  e a santa ceia.

Alguns vão aos montes para consagrarem objetos de campanhas (Saiba sobre as campanhas e seu respaldo bíblico ou não clicando [aqui!] ) como chaves, miniaturas de arca da aliança, shofar, colher de pedreiro etc. Existe também a prática de se enterrar nos montes frascos com óleo para dar um "upgrade" na consagração do mesmo.

2-) PROBLEMÁTICAS

Existe uma série delas, porém, pontuarei as mais nocivas:

  • "Canonizar" a oração no monte dando-a um status de sacramento;
  • Conferir poder a lugares, ao invés de glorificar o Deus poderoso sempre presente em todos os lugares (Onipresente);
  • Fazer "bulling espiritual" (saiba mais ) em pessoas que não tem como prerrogativas ou práticas ao menos esporádicas a oração no monte, fazendo tal irmão se sentir um crente desleixado ou de segunda classe;
  • Adicionar "preceito sobre preceito" que não estão na bíblia, incorrendo assim em heresia.


3-) BÍBLIA

O que a bíblia nos diz?

Acima fiz um apanhado geral de alguma características presentes na "oração do monte", podendo haver ainda mais características que podem ter ficado de lado.

Jesus orava nos montes - essa é uma explicação quase básica para abalizar a oração no monte por parte de quem prática tal hábito, o Mestre orava (Mateus 6.46)! Mas uma coisa deve ser frisada, Jesus não orava apenas em montes, mas em desertos (Marcos 1.35), a beira mar (Mateus 6.41), em jardim (Mateus 26.39), em lugares públicos (João 11.41, Marcos 6.41),  e todas as vezes que orava em um lugar mais afastado, era para ter um momento mais íntimo com Deus, sem o assédio da multidão, coisa que ele não conseguiria se fosse a lugares públicos como sinagogas, residencias e praças públicas. Não encontraremos Jesus determinando um princípio autoritativo na escritura como "e orarás no monte" em nenhum momento, destarte, podemos ver sim Ele dizendo "a minha casa será chamada casa de oração" (Mateus 21.13) e "quando fores orar, entra em seu aposento e fecha a porta" (Mateus 6.6).

No monte Tabor- Vemos Jesus, Pedro, Tiago e João tiveram um momento singular no monte. Jesus teve suas vestes resplandescentes (Marcos 9.3), seus discípulos mais íntimos que o acompanhavam no ensejo vislumbraram isso, e receberam a ilustre participação de Moisés e Elias nesse momento singular (Marcos 9.4). Para fechar com chave de ouro, todos ouviram a voz do Pai a respeito de seu filho "Esse é meu filho amado, a Ele ouve!", colocando Jesus em autoridade maior que a lei e os profetas (Marcos 9.7). Que "oração no monte" foi essa? Foi "tremenda"!

  • Não ouve consagração de óleo enterrando no chão para ser tirado depois;
  • Não ouve "gravetos fumegantes" (falaremos disso em instantes);
  • A presença de Deus foi tão real e vivaz, que os discípulos ficaram assombrado e sem ação (Marcos 9.6).

Gravetos fumegantes - Não tem nada de sobrenatural nisso. É um processo natural que acontece com gravetos, folhas em decomposição algumas lagartas, insetos, e alguns tipos de cogumelo chamado bioluminescência. A bíblia relata sobre Moisés e a sarça ardente (Êxodo 3.2). Não é bioluminescência de forma nenhuma e não adianta forçar a barra de maneira nenhuma. Deus se manifestava a Moisés no monte em forma de fogo, porém creio que não preciso traçar um paralelo com as diferenças que são óbvias. Saiba mais em: http://uleinpa.blogspot.com/2009/01/nico-fungo-bioluminescente-da-amaznia.html

Igreja primitiva - Não há registro dos primeiros irmãos utilizarem de orações em montes. Na verdade existe registros de vários momentos de oração deles, porém nas sinagogas (At 3.1) e nos lares (At 12.5).

4-) A HISTÓRIA

O Didaquê - Não, no didaquê não faz menção de nenhum tipo de oração no monte. Há menção de oração sim, mas não faz em termos de se estabelecer lugares específicos para tais. (8.2)


CONCLUSÃO

Não sou contra, e a bíblia não tem nenhuma ordenança proibitiva quanto a termos ou criarmos um lugar específico para orarmos que seja pessoal ou de maneira coletiva. Lembrando que Jesus ensinou sim sobre "minha casa será chamada casa de oração" (Mateus 21.13) e o "entra no teu quarto e, fechando a porta, ora a teu Pai que está em secreto" (Mateus 6.6) como lugares para se orar.  Então não é por falta de sugestão do Mestre que vamos arrumar encrenca para redefinir outros tipos de lugares "canônicos" para orar ao Eterno, não é mesmo?

Outrossim, a bíblia não outorga de nenhum modo "poderes especiais" à oração no monte (e em nenhum outro tipo de lugar), e tampouco não há ordem específicas para que elas sejam feitas.

A oração é um dos elementos da adoração ao Senhor. Em relação ao lugar de adorar, Jesus assevera à samaritana  quando interpelado pela mesma quanto qual seria o lugar apropriado para adorar ao Senhor, se no monte ou no templo, Jesus diz: "Chegará a hora, e agora é, em que os verdadeiros adoradores adorarão ao Pai em Espírito e em verdade, porque o pai procura aqueles que assim o fazem" (João 4 23.24), entendemos que a questão não é o "lugar" mas sim a forma de adorar, "em Espírito e em verdade" é que "chama a atenção" de Deus.

Separar um momento especial para orar NÃO é errado. Mas se as características pontuadas acima forem observadas em relação a oração no monte, faz de tal empresa uma prática espúria ao testemunho bíblico. E se não condiz com a palavra de Deus, é inconsistente com o próprio Deus.

Existe também o perigo de orações feitas no meio do mato de ataque de criminosos. Há relatos de assaltos, pessoas que sofreram violência sexual, e até pessoas que foram fulminadas por raios.
A escolha para um lugar específico para se orar sozinho ou em grupo deve ser levado em conta a segurança proporcionada. Algumas igrejas se reúnem em fazendas particulares ou pousadas visando a proteção do grupo para terem um momento separado para orarem a Deus com segurança.

O lugar em si amados, não é importante. O importante mesmo é a qualidade da oração e da adoração, que seja em "espírito e em verdade". Fazendo assim, pode ter certeza que o Senhor Onipresente (presente em todos os lugares), será exaltado, pois Ele procura os que tais assim fazem.

Em Cristo,

Microscopicamente falando (João 3.30),

pr. Walter Filho

domingo, 26 de junho de 2016

"PASTOR, E AS CAMPANHAS?"


Sou frequentemente perguntado sobre o significado do que são as famosas "campanhas" ou "cruzadas" e qual a importância ou não delas na prática litúrgica da igreja.

Não confunda as campanhas de algumas igrejas com as campanhas do agasalho, campanha contra a fome, entre outras de cunho social. E muito menos com uma campanha publicitária. No modus operandi de várias igrejas a cantiga é bem diferente.
Se faz necessário antes de mais nada sabermos a definição desse termo, "campanha" em relação a língua portuguesa, vamos lá:

cam.pa.nha1
sf (lat campanea1 Campo extenso; campina. 2 Acampamento de tropas. Série de operações militares durante uma guerra. 4 Parte que um militar toma nessas operações. 5 Série de determinadas operações ou esforços sistemáticos para a obtenção de um resultado específico: Campanha de promoção de vendas. Campanha de combate à inflação. 6 Batalha, guerra, lida. 7 Em propaganda, conjunto de anúncios e peças promocionais com unidade temática destinados a criar uma forte receptividade do público consumidor em relação ao produto ou ao serviço anunciado.

Baseado nessa definição acima, a que mais se enquadra nas "campanhas" que algumas igrejas fazem é o "item 5": "5 Série de determinadas operações ou esforços sistemáticos para a obtenção de um resultado específico". 

Hoje em dia o termo campanha, quando associado a algum trabalho nas igrejas apresentam algumas características que são frequentemente observadas:

  • quantidade de dias, (geralmente são 7, e a justificativa na maioria das vezes é devido ao "número da perfeição", mas isso é assunto para outro post);
  • Existe o ensino que as campanhas são como correntes, e que cada dia dela é comparada com um elo da mesma, se o "campanhista" porventura quebrar um elo, deixa de receber a benção estipulada no tema da campanha;
  • na maioria das vezes tais campanhas são associadas com algum elemento extra-bíblico, por exemplo, frasco com óleo, sabonete de mirra, rosa ungida...etc, que pode ser entregada no fim da campanha, ou entregada no primeiro dia e deve ser levada aos cultos para receber unções com óleo, que geralmente são sete (A questão do número é variada, podendo ser usado algum outro número com algum tipo de simbologia ex: 12). 
  • Geralmente os objetos extra-bíblicos tem seu uso justificado através de textos bíblicos isolados, sem conexão com o contexto imediato ou remoto da escritura. Ex: "Campanha do vale do Sal", um corredor de sal é feito, e os fiéis passam por ele em cada elo da campanha para receber sua benção. O texto usado nesse caso pode ser 2 Sm 8.13 (Davi), 2 Cr 25.11 (Amazias) entre outros textos.
  • Existe uma conexão forte com a "teologia da prosperidade" que dá suas caras as vezes no segundo dia, ou no final do primeiro dia em que são entregues envelopes, com sugestão ou não de um valor de  uma oferta de sacrifício, que será coletada no último dia da campanha;
  • Visando o desfecho no último dia, as mensagens não são Cristocêntricas, não tem Cristo no centro do culto, mas é focalizado o bem estar do campanhista fiel que vencer o desafio até o fim e trouxer seu sacrifício na conclusão da tal. Os ensinamentos sobre Jesus são praticamente cortados em partes, os textos usados geralmente são aqueles que tem alguma associação com o tema, e a frase "vejam, até Jesus pensava assim", é usada frequentemente para abalizar todas as práticas dos tópicos anteriores;
  • Vale lembrar que a utilização de recursos extra-bíblicos, amuletos consagrados, etc, são para que os fiéis que porventura não tem a fé muito grande, possam ter um referencial material para ajudá-lo a crer em Deus e nas promessas que nelas estão explícitas (Porventura o romanismo da época de Lutero não fazia assim?);
  • O pragmatismo é lei. Se há testemunhos de algum tipo de atuação sobrenatural em algum momento, seja no culto, ou na vida do campanhista durante o tempo da campanha, sendo bíblico ou não o método utilizado para alcançar tal benesse, JAMAIS é questionado. A bíblia se torna apenas um objeto secundário e sujeito à interpretação pragmática, seja do ministrante do momento de culto ou da pessoa a estar testemunhando no momento;

Concluindo: A partir de todas essas características, (elenquei as principais, há uma miríade de outras), podemos concluir que o termo "campanha" e sua prática nesse contexto faz parte de uma prática neo-pentecostal, portanto, não fazendo associação com os princípios normativos bíblicos da sã doutrina. No fim das contas é mais um método de angariar membros tirando Cristo do centro, substituindo por "campanhas", que é apenas mais uma das infinitas "estratégias" de "invãogelismo" que não estão em acordo  com as santas letras da escritura.

Na Igreja Cristã Fiel (que faço parte e pastoreio), nos fazemos série de sermões com temas específicos (Ex: "As sete Igrejas da Asia" ou "Os cinco solas", etc.) , mas a quantidade de cultos abordando o assunto escolhido dependerá de quantos dias forem necessários para explorar a temática. Tal série não há conexão de modo nenhum com "correntes", ou "quem quebrar um elo não vai receber a benção". Visamos apenas a edificação, e o robustecimento da fé da igreja nas escrituras sagradas, e nada mais que isso.

Em suma: o termo "campanha" no contexto atual está deturpado, em todas suas nuances, ainda não vi alguma delas que não tenham alguns ou todos os elementos elencados acima.

Que a igreja hodierna trave uma "campanha" sim, isso é uma "batalha", mas pela fé que uma vez foi dada aos santos" (Judas 1.3). Essa sim é a verdadeira campanha que todo eleito do Senhor já está alistado!

Microscopicamente (João 3.30)

pr. Walter Filho

Post 01 da série: "Acaso  me tornei vosso inimigo apenas por vos declarar a verdade?" Gálatas 4.16

segunda-feira, 13 de abril de 2015

"PORQUE DEVO TE OUVIR?"




“Porque devo te ouvir?” Tú me questionas? Sinceramente não sei como poderei te responder. Aliás, pensando bem posso sim. Não, tú não deves me ouvir. Vindo de minha Parca e restrita vivência nessa peregrinação de mim mesmo pouco ou nada tenho de real valor para poder compartilhar contigo, nada que possa agregar algum valor transformador para tua vida. Não, não meu amado, não tenho. E a recíproca é bem verdadeira!

Agora, se minha vida é uma seta apontada para aquele que me amou pré-historicamente, e por mim também é amado, aí sim posso realmente ser de alguma valia para os rumos de tua existência. A bem verdade, a Glória e Dele, só Dele, do meu Rei amado.

Se me encarares como uma placa apontando para o céu do meu Senhor, dizendo “nesta direção, sim
nesta direção terá descanso pra tua alma, sim, Nela terás respostas para seu sofrer, Sim, Nelas terás bálsamo para tua dor.” Ouça tais palavras! Porque sincero sou, não brotam de meu funesto entendimento humano e terreno tais verberações.

Essa placa, essa seta, tem prazo de validade. Envelhecerá, sua madeira frágil mudará de forma. Mas se ela aponta ainda para o meu amado Rei, seja sábio, a força que a sustém  no prumo dos céus não é humana, mas celestial! Se é celestial, o que esperas? Siga nessa direção! Procure guarida Naquele que pode te resguardar! 

Mas poderá dizer “Porque?” “Porque devo seguir na direção que tú apontas inspirado por essa força celestial que disseste?”

Ora meu amigo, simplesmente apenas posso te dizer a mensagem que veio Daquele para quem aponto para Ti, Ele diz: “Eu sou o Senhor Teu Deus, Cale-se pois diante de mim toda a terra!”
Paro de teclar por aqui.

Paz!

Pr. Walter Filho

20/03/15 02:39


segunda-feira, 6 de abril de 2015

ODE AO LENHO CRUENTO


Nota: O texto a seguir foi um dádiva do Altíssimo ao meu entendimento no dia 20/03/15 as 1:51, nesse mesmo dia fui presenteado com alguns outros que permitindo o Eterno postarei aqui em nosso "microscópico" espaço (João 3.30) para o apreço de meus amados amigos e leitores da grande rede, vamos ao texto!

ODE AO LENHO CRUENTO

pr. Walter Filho

“Quem quiser vir após mim, negue-se a si mesmo, tome sua própria cruz e me siga”
Lucas 9.23

Existe uma cruz. O madeiro cruciforme é real pra ti. E teu! Tu tens que levar! E ordem! Não há outra saída! Não há negociações e nem malabarismos com jeitinho brasileiro! E teu!
É bem verdade que existem pessoas que se relacionam com a figura da “própria cruz” de maneira bem curiosa:

1-) OS QUE FINGEM TER CRUZ!

Simulam choro. Mordem os lábios, rangem os dentes. Olham pra cima enfastiados. Mancam pelo caminho. Mas olhando para tais, apenas pode ser percebido as mãos em forma de arco, em um simulacro de transportador de cruz, e em seus lábios uma ríspida bravata, que contribui singularmente para a anedótica pataquada: “Ai, como esta cruz esta pesada!”. Vá saber, muitos são realmente felizes fazendo assim.

2-) OS QUE PENSAM TER UMA CRUZ SOBRE SI!

Esses sofrem. Tem algo sobre si que é muitíssimo pesado. Insuportável! Bufam procurando por fôlego. Soam em bicas! Mas esses tem seu consolo naqueles  que gratificam com as dádivas da religião! Os bajuladores que o cercam, são sua grande motivação para estar carregando tamanho fardo! Fardo? Não era pra ser a cruz? Sim era! Era pra ser o instrumento cruciforme gerador de suplícios! Mas não é! É a religião! Agrada a carne! A Alma! É Dolorosa! Mas os louros dos fariseus são lúgubres anestésicos! Traz fama! Sim é pesado o fardo da religião. Dá sensação de dever cumprido, mas definitivamente NÃO, NÃO é a cruz de Cristo!

2-) OS QUE CARREGAM VERAZMENTE SUA CRUZ!

É. Ela existe! Lembra? Teu Senhor, crente, é hábil carpinteiro! Fê-la pra ti personalizada! Conforme o comprimento de tua coluna em riste. Conforme o distanciamento de sua envergadura. Do tamanho de teu abraço! A madeira desconheço qual seria, mas o peso com certeza tu suportas! Haverás tú de Dizer me: “Irmão coloca guardas em teus lábios, não sabes o disparate que pronuncias, meu lenho é por demais cruento, não posso suportar!”, Bobagem! Nosso Senhor mesmo que a fez e nos diz que “seu fardo é leve”. Ora, se tão dedicado marceneiro  afirma tal negócio, porventura não lembra que Ele não é homem como nos sujeito a mentir?

Portanto amado, carregue-a! Cumpra tua vocação! Cumpre teu ministério! Ciceroneie-a pelas ruas dessa existência que teu Pai te dá! Por amor ela está sobre ti! É dolorosa sei, a minha também o é, mas marche querido!  Mas antes que me esvai a inspiração dessas linhas, um conselho tenho pra ti que também servirá pra mim! NÃO NEGOCIE OS PEDAÇOS DE TUA CRUZ! Sim. Não requererão que tú não a carregues, ou solicitamente farão oferta por teu lenho! Não, não farão! Mas farão propostas por pedaços! Por fragmentos de teu madeiro pessoal! Você diz “Irmão, como seria tal negócio?”

Pelas esquinas de tua peregrinação anunciarão: “Um pedaço de cruz, por um momento de prazer”, a oferta a princípio parecerá barata, mas necessitas de tal  objeto santo da maneira com que foste presenteado pelo pai no princípio! Lembra? Ela foi feita pra ti! A tua é tua! A minha é minha! Diferimos em altura e envergadura. Portanto amado, ignore a oferta do prazer ilícito. Continue a marchar com o peso celeste intacto designado para teus lombos.

Em outra viela poderá ouvir: “Dois pedaços de cruz pequenos, por fama, bebida inebriante e substâncias de felicidade, corra, pois é por tempo limitado!” Tempo querido, é o que não poderás perder nesses impasses! A ordem não mudou , é a mesma! Pois então, não abdique de teu fortuito legado.

Quero ser realista contigo. Chorarás pelo caminho. Muita das vezes não encontrarás ninguém disposto a pelo menos o estimular a continuar carregando. Apenas em momentos em que te reunires com teus pares carregadores desse nobre fardo, que um com a mensagem do carpinteiro dirá a todos “não há outro meio, carreguemos pois nosso riscado! O prêmio vindouro é por demais estimado!” Prêmio? Sim querido, haverá um prêmio! Quando fraquejares, quando faltarem forças e se aprofundar as chagas em teus ombros lembra-te, há prêmio a tua espera! Teu galardão é uma realidade!

O que preparou tal recompensa, não escondo de ti, é o mesmo que no início te chamou para obedeceres gentil sentença.

“Levarei eu também minha cruz, té  por uma coroa trocar...”
A canção chilreia. Eia, pois então esse é o peso certo que a tua cruz deve ter! Sim, esse mesmo que está sobre ti nesse momento. Como penoso o é agora tal desígnio, em gozo maior e contentamento será o alívio depois de teu sofrimento. Vai valer a pena, vai valer a pena mesmo eu sei. O que tem na mão de teu Rei, é, o Rei carpinteiro que está a tua espera? Uma coroa nas mãos! Sim, uma coroa nas mãos, um sorriso nos lábios e uma frase pronunciada aos teus ouvidos, especialmente para teus ouvidos: “Vem filho amado, para a alegria eterna de teu Senhor que desde antes da fundação do mundo te tenho preparado!”
Aleluia!

Microscopicamente (João 3.30),
Pr. Walter Filho

20/03/15 01:51

Ps.: Oremos pelos familiares dos irmãos que foram vitimados de maneira cruel na universidade do Quênia, por cometerem um crime que eu e você cometemos: PROCURAR CARREGAR NOSSA CRUZ!

segunda-feira, 16 de março de 2015

O EVANGELHO 2º AQUAMAN! (DEEP!)

"Aquaman cristão", popularmente conhecido como Arthur Curry!


Ahhhhh vá! Com essa onda de postar fotos em redes sociais com imagens que não tem nada a ver (tipo, pessoas seminuas) com versículos bíblicos nas legendas, essa do Aquaman aí  foi no mínimo...digerível né? (risos!)



Amado pelo "profundo amor" de Deus and ever microscopicamente falando (João 3.30),
Pr. Walter Filho

quarta-feira, 4 de março de 2015

O "DEUS DE MISTÉRIO"!


Quero compartilhar com você caro leitor sobre esse título que é extensamente atribuído ao Pai de nosso Senhor Jesus: "O Deus de mistério"! E não é que Ele realmente é Deus de mistério mesmo?

Explico! Quantos dos queridões e queridonas, adelfos e adelfas, que por exemplo, no principio de sua caminhada com Cristo, ou quando infante, se pegaram fazendo a pergunta: "Quem criou Deus?"? Entonces, baseado na realidade que os pensamentos de Deus são mais altos que os nossos ficamos querendo aplicar nossas regras pessoais para Deus. Só porque vivemos em uma dimensão onde conhecemos apenas coisas criadas, a realidade de um ser auto-existente que não precisou ser criado dá um nó no nosso cerebelo!

É, essa do "Quem criou Deus?" é básica. É uma das primeiras divagações que temos. Mas o que dizer então de procurar traçar uma explicação coerente e sem nenhum tipo de problema sobre a questão da trindade? Três, que são um, mas ao mesmo tempo são três pessoas distintas, que fazem parte de um único Deus, que fora Dele não a outro, que se comunicam entre si...isso é algo incomparável, e motivo de levantamento para uma infinidade de questiúnculas! (Certa vez um internauta me disse que Deus é o único ser que pode se expressar dizendo "é nóis!" de maneira coerente...né?)

Falando em "problemas", o que dizer então da interpretação da palavra "eleição" constante em muitas partes das escrituras? Tem dado pano pra manga e feito muitos irmãos sinceros, esquecer de outras palavras que a escritura também ensina como "daremos conta de toda palavra ociosa que dissermos no dia do juízo" (Mt 12.36), e reveste o irmão que segue um sistema teológico que vê a palavra de uma maneira diferenciada da sua, com palavrinhas, aliás PALAVRÕES, que definitivamente não estão escritos na bíblia e de nenhum modo serão pronunciados lá no céu!

Por que o céu é azul? A serpente do Éden tinha pernas no princípio? O que Jesus escreveu no chão quando o populacho desejava apedrejar a mulher pega em adultério? Qual é a cor da tinta da caneta com que se é escrito  o nome de alguém no livro da vida (Ap 3.5)? Alias, é caneta ou pena? Se pena, é de anjo? Ou de arcanjo? Querubin? Serafin? Tem um estábulo no céu onde ficam armazenados cavalos de fogo (2 Rs 2.11)? Que idade teremos no céus? Aquele que foi pra lá criança será sempre criança? E os anciãos?  Vai ter comida lá? O que está escrito na pedrinha branca (Ap 2.17)Quem amolou o Machado de Assis?....(Humm...essa acho que sei, pode ser o Lima Duarte talvez! #press botão "piada infame" mode on)


Uma coisa sim as escrituras nos ensinam que as "coisas reveladas" são para nos (Dt 29.29), e nessas amados, temos obrigação de aprender: viver em santidade, amar a Deus acima de tudo, ao próximo como a mim mesmo, Crer em Jesus, anunciar o evangelho, pedir perdão, perdoar, produzir frutos do Espírito, examinar as escrituras, abandonar o velho homem, aprender sobre  a santidade de Deus, a graça de Deus, o amor de Deus, a misericórdia de Deus, a ira de Deus, Não furtarás, não cobiçaras a mulher do próximo... 
Agora, quanto aos "insondáveis juízos, e  inescrutáveis caminhos do SENHOR"(Rm 11.33), suponho que o "insondáveis" diz tudo n'cest pá?

Quem sabe haverá um dia na eternidade ao lado do Senhor em que "conheceremos assim como somos conhecidos" (I Co 13.12), e semelhantemente a um famigerado cartoon televisivo de mistério, teremos uma sensação semelhante aos personagens que pegavam o "monstro" no final, tiravam a máscara dele descobrindo de quem se tratava, e todas as peças do quebra-cabeças venham de fato fazer sentido. Ou ao menos mais um pouco de sentido, do que a nossa parca habilidade de compreensão consegue absorver nesse momento!

Por enquanto fica bem mais fácil descobrir "Onde está Wally?" ou "Quem matou Odete Roitman?", aliás, infinitesimalmente mais fácil! 

Opá, acho que encontrei uma pista! Ih, sumiu de novo!

Microscopicamente analisando o revelado, e não branqueando minha capilança com o insondável do SENHOR (João 3.30),

pr. Walter Filho (um "Salsicha", que se casou com uma "Daphne", tiveram uma princesinha, e decidiram não mais ter nenhum "Scooby", eles fazem bagunça demai$!)